sexta-feira, 8 de novembro de 2019

QUERO SER

Quero ser brisa, por onde eu andar,
Quero ser  ponte, para atravessar,
Quero ser música, para alegrar,
Quero ser dança, para encantar!

Quero ser caminho, para percorrer,
Quero ser luz, para iluminar,
Quero ser mãos, para guiar,
Quero ser sonhos, para realizar!

Quero ser chuva, para restaurar,
Quero ser lua, para inspirar,
Quero ser lágrima, para suavizar,
Quero ser palavra, para abençoar!

Quero ser silêncio, para escutar,
Quero ser flores, para presentear,
Quero ser abraço, para confortar,
Quero ser sorriso, para conquistar!

Quero ser bondade, para acolher,
Quero ser paz, para acalmar,
 Quero ser fé, para confiar,
Quero ser esperança, para continuar!

Quero ser afeto, para dividir,
Quero ser tempo, para esperar,
Quero ser força, para consolar,
Quero ser humildade, para perdoar!

Quero ser prece, para agradecer,
Quero ser sabedoria, para entender,
Quero ser serenidade, para aceitar,
Quero ser amor, para curar!

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

TEMPO DE CALMARIA

Muitas vezes precisamos mais que força para seguir.
Precisamos de paciência, coragem e muita fé.
Só assim, conseguimos passar pelas tempestades, ou caminhos de pedras e espinhos.
 Existe um tempo que caminhamos na escuridão.
Outras vezes vagamos por desertos por longo tempo, perdidos, sem direção...
Aprendi, que esse tempo é preciso, para fortalecer e tornar serena, madura para trilhar caminhos coloridos que o tempo há de trazer.
Tempo de calmaria...

terça-feira, 1 de outubro de 2019

COLCHA DE RETALHOS


Abri as gavetas da minha alma, retirei retalhos guardados...
Juntei os mais inteiros, mais leves, costurei com cuidado, um por um.
Ponto por ponto, fui transformando em uma colcha de retalhos.
Entre um retalho e outro, costurei flores, derramei perfume, bordei sonhos, colei gratidão, pintei fé com cores de esperança.
O que restou no chão, segurei na mão, fechei os olhos, fiz uma prece e soprei ao vento.
Pedi coragem, olhei dentro de mim, ergui a cabeça
e continuei...
 
Separei nova gaveta, limpei com cuidado, escolhi lugar seguro para guardar a colcha de recomeço...

terça-feira, 3 de setembro de 2019

NO MEU CAMINHAR

 Há dias que meu caminhar é sereno, lembranças da suavidade que havia em mim.
Há dias que deixo poeira por onde passo, arrasto os pés, com um certo peso, deixo pegadas, talvez para saber como voltar. 
No meu caminhar suave, ando descalça, quase não sinto o chão. Cabelos ao vento, braços abertos, sorriso no coração.
Vou deixando pelo caminho um pouco do que sou, e guardando em lugar seguro, minha fé e esperança.
Nos dias do caminhar pesado, vou olhando as marcas que deixo por onde passo. Elas escrevem o que guardo na alma, espalham os segredos que tento esconder.

segunda-feira, 29 de julho de 2019

SAUDADES DE MIM...

Quando vivemos a vida em função dos outros,
acabamos por esquecer de nós.
Do que somos, do que era sonho, apenas nosso.
Não é fácil, fechar uma parte de nós, e adormecer algumas coisas que eram importante.
As vezes, não temos escolhas. Se faz necessário, trocar nossas prioridades, deixar vontades em gavetas, para dedicar ao que se torna parte fundamental em nossas vidas.
Quase deixamos de existir...
E como se adiasse os próximos capítulos de nossas vidas, dando uma pausa em nossa história.
Só que, lá fora, a vida continua. A pausa, é só dentro de nós.
Então, fica um vácuo entre o antes, e o agora, o agora e o depois. Não se emenda a história. Não existe ponte, para voltar e fazer uma visitinha rápida, depois retornar para fazer o laço para unir as duas partes. 
Ando com uma saudade estranha, do que poderia ter/ser, nesse vácuo. Curiosidade de como seria meu eu, nesse espaço que ficou em branco. Saudade de conhecer meu eu.
Tenho saudade de mim.
Do sorrir, do dançar, do caminhar descalça na grama, do riso solto, do sol no rosto, do vento no cabelo, do cheiro da chuva... que não pude viver.
Saudades, quando era eu, do meu eu em mim. Eu, só pra mim...
Saudades de ser minha.
Tão simples e complexo assim...

segunda-feira, 8 de julho de 2019

ACEITAÇÃO

"Queria ser um pouco fria,
mas nasci delicada.
Queria me importar menos,
mas tenho grande desejo de compartilhar amor.

Queria ser mais realista,
mas os sonhos guiam meu pensamento.
Queria ser menos esquecida,
mas existe um mundo lunar dentro de mim.

Queria me decepcionar menos,
 mas também quero doar-me por inteiro.
E isso exige a renúncia da minha vontade.

Que eu sempre aprenda e viva mais leve,
que eu sempre me aceite e plante mais amor.
Que eu tenha um olhar atento e um coração orante,
que o simples me encante
e que eu leve alegria por onde for." 

(Mariana Neves)